fbpx
Dicas

Como funciona um Servidor Web? Saiba tudo neste guia completo!

Quando você digita o endereço de um site no seu navegador e recebe em instantes a página que você esperava, talvez não se dê conta, mas nos poucos segundos entre uma ação e outra, uma série de processos são executados. Isso porque, todo site ou aplicação web, para funcionar, depende de algumas configurações e estruturas básicas, e o servidor web é um delas.

A forma como a rede mundial de computadores é estruturada, exige uma série de protocolos e ambientes estruturados que tornam essa comunicação segura e ágil. Neste guia completo, vamos entender, de forma objetiva, o que é um servidor web, como funciona, como pode ser configurado e os tipos de servidores que podem ser utilizados como base. Confira!

O que é um servidor web?

O servidor web nada mais é do que um ambiente que utiliza o HTTP — protocolo de transferências por hipertexto — e outro tipos de protocolos, para responder a solicitações realizadas por usuários em seus navegadores.

A tarefa principal de um servidor web é armazenar, processar e disponibilizar os arquivos que formarão na tela do navegador a imagem do site solicitado. Outra incumbência de um servidor web é oferecer suporte a SMTP — simple mail transfer protocol — e FTP, que são protocolos de transferência e envios por e-mail e armazenamento de arquivos respectivamente.

Para que esses processos sejam realizados, o hardware do servidor precisa estar conectado a internet, para que seja possível a troca de dados com os dispositivos relacionados.

Já o software do servidor web controla a forma como os usuários recebem os arquivos que foram hospedados. Os servidores web podem ser utilizados para a hospedagem de sites e para qualquer outro tipo de aplicação que seja baseada na web, incluindo softwares de gestão.

Para que serve um servidor web?

Um servidor web pode ser utilizado para uma série de finalidades, entre as quais se destacam a criação e publicação de sites e aplicações web, o envio e recebimento de emails, a utilização do protocolo FTP para o envio e recebimento de arquivos.

Os servidores web podem receber scripts que rodam no lado do servidor, que servem para agregar funcionalidades às páginas e aplicações e que são personalizados de acordo com cada usuário. Entre os amplos recursos que podem ser aplicados com o uso de scripts do lado do servidor estão a criação e o acesso a sistemas de banco de dados, como o MySQL.

Entre as linguagens de scripts mais utilizadas para o trabalho do lado do servidor, se destacam o PHP, a mais popular de todas — sendo base do principal CMS do mundo, o WordPress — e o ASP. O processo também permite a criação dos documentos HTML.

Como funciona um servidor web?

O acesso a um servidor web acontece a partir da busca por um endereço, que pode ser expresso com a digitação do domínio de um site.

Basicamente, o servidor web funcionará da seguinte maneira. Quando um usuário entra no navegador e solicita acesso a uma página, digitando o endereço, há uma conversão do nome do domínio para o endereço IP do servidor em que a página está hospedada. Essa tradução é feita pelo DNS ou, se for um site já visitado, por meio do cache.

Após a identificação do endereço e conexão entre cliente e servidor, o navegador solicita ao servidor web os arquivos que deseja, por meio de uma solicitação HTTP. Se não houver erros ou inconsistências, o servidor envia os arquivos como resposta também utilizando o HTTP e o navegador exibe a página da web. Um servidor web é capaz de hospedar múltiplos domínios.

O servidor web pode ser criado a partir de qualquer computador, porém, as máquinas convencionais geralmente não têm a capacidade de recursos necessários para aguentar múltiplas requisições ou disponibilidade para ficarem ligadas de forma ininterrupta — que são requisitos para que uma aplicação se mantenha disponível e estável.

Nesse cenário, a melhor opção é a contratação de um servidor por meio de um provedor especializado, que entregará um ambiente completo e seguro para que você crie o seu servidor web. A partir desse servidor, que pode ser compartilhado, dedicado, em nuvem, VPS, etc, você poderá atender a sua demanda.

Qual é a diferença entre o servidor web dinâmico e o estático?

Um servidor web pode ser usado como conteúdo estático ou dinâmico. O conteúdo estático é aquele que é fixo. O conteúdo dinâmico é aquele que pode ser alterado e atualizado. O servidor da web estático contém o software HTTP e a máquina. É chamado de estático porque o servidor envia arquivos hospedados conforme estão presentes no navegador.

Por outro lado, o navegador da web dinâmico terá o servidor da web e o software como o banco de dados e o servidor de aplicações. É chamado de dinâmico porque o servidor de aplicativos é usado para atualizar os arquivos hospedados antes que eles sejam enviados ao navegador. O servidor da web gera conteúdo quando o banco de dados o solicita. O processo é flexível, mas também complexo.

Quais são os tipos de servidores?

Como falamos, um servidor web pode ser estruturado a partir de qualquer máquina, desde que cumpra os recursos necessários para manter a aplicação web rodando. Os grandes sites e aplicações corporativas, demandam uma alta capacidade de armazenamento, memória e processamento, além de exigirem alimentação ininterrupta de energia elétrica e boa refrigeração.

Algumas empresas conseguem manter esses recursos internamente, com servidores dedicados físicos. Porém a grande tendência dos últimos anos, com os avanços tecnológicos, são os servidores remotos. Neste tópico, vamos apresentar as principais opções de servidores oferecidos pelos grandes provedores no Brasil e no mundo. Confira!

Servidor compartilhado

O servidor compartilhado é o modelo mais popular disponibilizado pelos provedores e, como o próprio nome sugere, é aquele em que os clientes compartilham os recursos de uma máquina.

A falta de exclusividade — que permite a divisão dos custos de manutenção da infraestrutura — é compensada por um preço mais econômico, o que costuma atrair as pequenas e médias empresas.

O servidor compartilhado tem outra vantagem, que é o fato de ser uma plataforma mais simples, permitindo que usuários sem grandes conhecimentos consigam operá-lo. Porém, perde no quesito configuração e personalização, que são benefícios que os servidores dedicados oferecem.

Um dos grandes entraves dos servidores compartilhados é a falta de controle total no servidor, que faz com que as empresas que precisam de margem de erros baixa em relação à disponibilidade, e desempenho de seus sistemas, possam ser afetadas por problemas de tráfego causados por outros usuários.

Outro ponto que preocupa muitos gestores é a segurança, afinal, não é possível controlar o acesso de todos no servidor e o risco, embora seja baixo, pode gerar grandes problemas.

Para quem o servidor compartilhado é indicado?

O servidor compartilhado é recomendado para empresas que necessitam de um servidor web, mas que não dispõem de um grande orçamento para essa finalidade e que não tenham um tráfego tão intenso.

É uma forma de fazer com que empresas que ainda estão entrando de forma tímida na transformação digital possam experimentar os enormes benefícios de colocar a tecnologia como pilar de suas estratégias. Ao perceber que a estratégia foi bem sucedida, os gestores poderão considerar o investimento em um ambiente mais exclusivo.

Servidor dedicado

O servidor dedicado é o oposto do servidor compartilhado, ou seja, os recursos da máquina são 100% do usuário contratante. Ao optar por esse ambiente, o usuário evita os riscos de interferências e sobrecargas que poderiam ser causadas por terceiros.

O contratante tem controle total sobre as configurações do servidor, podendo criar as suas próprias estratégias de segurança, incluindo o uso de criptografia e controle de acesso. Assim ficará mais fácil rastrear caso ocorra um desastre, já que nenhum usuário sem autorização terá a possibilidade de acesso.

Quando o cliente contrata um servidor dedicado, ele recebe uma máquina com os recursos que ele necessita, mas terá todas as responsabilidades relativas a configuração e gerenciamento. Caso a empresa não tenha uma equipe interna para gerenciar todos os pormenores relativos ao gerenciamento do servidor, ele poderá escolher um provedor que ofereça um plano de servidor dedicado gerenciado.

Um servidor dedicado gerenciado permitirá que a empresa aproveite todos os benefícios do uso de um servidor dedicado, ao mesmo tempo em que foca na administração e gerenciamento de sua aplicação web — foco total no core business — deixando o resto por conta do provedor especializado.

Para quem o servidor dedicado é indicado?

O servidor dedicado é indicado para empresas que mantêm sites com grande tráfego, que necessitem de maior largura de banda, personalização e exclusividade de recursos. Por todos esses diferenciais, o servidor dedicado costuma ter um preço mais alto em relação ao compartilhado.

Servidor VPS

O VPS — Servidor Virtual Privado, do inglês Virtual Private Server — é um modelo considerado intermediário entre o compartilhado e o dedicado. Isso porque, nesse modelo de servidor, é possível ter vários clientes em uma única máquina física, só que cada um isolado dentro de uma máquina virtual.

Ou seja, é uma maneira de criar servidores exclusivos, com recursos próprios, a partir de uma máquina física, que pode rodar vários servidores individuais. Somente o Hardware será compartilhado, o que faz do VPS uma solução alternativa para quem busca um servidor dedicado mas não tem orçamento livre para contratar um de acordo com a sua demanda.

Com o VPS você terá seu espaço exclusivo para o seu servidor web, sem interferências de terceiros.

Para que o VPS é indicado?

Como ressaltamos acima, o VPS é indicado para quem necessita de toda exclusividade e personalização de um servidor dedicado, mas não tem um orçamento que permita esse investimento. Se você acredita que o seu tráfego pode crescer de forma exponencial, essa pode ser a sua melhor opção.

Cloud Server

Um dos servidores que ganhou mais popularidade nos últimos anos, o cloud server, ou servidor em nuvem, é aquele em que os recursos computacionais estão descentralizados, na nuvem, mas que estão disponíveis para o usuário de forma remota. A descentralização do cloud server permite uma maior agilidade nos processo, o que gera um melhor desempenho, disponibilidade e estabilidade do sistema.

Além disso, o servidor em nuvem é altamente escalável, ou seja, é uma opção que facilita a vida de quem está administrando sites e aplicações que aumentam ou diminuem a demanda de forma sazonal.

Para quem o Cloud Server é indicado?

O servidor em nuvem é indicado para quem está em busca de uma solução versátil para seu servidor web, com alta escalabilidade e facilidade de acesso.

Como escolher o melhor servidor?

Agora que já entendemos o que é servidor web, como funciona e os tipos de ambientes que podem ser utilizados para estruturá-lo, vamos entender o que deve ser avaliado na hora de escolher a melhor opção de provedor. Acompanhe!

Saiba quais são as sua necessidades

A primeira coisa que você deve fazer na hora de escolher o melhor provedor para o seu servidor web é criar uma lista com suas necessidades. Com essa lista em mãos, será possível alinhar a suas demandas ao que cada provedor em potencial está oferecendo.

Se o seu site ou aplicação web tem um nicho específico, por exemplo, você poderá levar isso em consideração. Se você está desenvolvendo um site de portfólio de fotografia, poderá priorizar recursos de velocidade e armazenamento. Além disso, alguns hosts também oferecem opções de CDN (Content Delivery Network, rede de entrega de conteúdo) para sites mais robustos.

Se, por outro lado, estiver desenvolvendo um e-commerce, pode se concentrar em planos que priorizam recursos como largura de banda e segurança — alguns provedores oferecem planos específicos para o e-commerce.

Por último, mas não menos importante, pense no sistema de gerenciamento de conteúdo que você gostaria de usar para o seu site. O WordPress é o mais popular e pode ser utilizado para a criação dos mais diversos tipos de sites e aplicações web. Para quem quer contar com um CMS direcionado para os e-commerces, a melhor alternativa é o Magento.

Há provedores que disponibilizam hospedagem WordPress, ou seja, ambientes que são criados pensando exclusivamente no usuário desse CMS, com tudo o que ele precisa para aumentar a sua produtividade, praticidade e segurança.

Verifique a disponibilidade oferecida pelo provedor

Outro ponto de suma importância que você deve investigar sobre o potencial provedor escolhido é se ele fornece em termos de garantias de tempo de atividade. Um provedor sem compromisso com a disponibilidade pode fazer com que o seu site fique fora do ar em momentos cruciais.

O que é uptime?

O Índice de Uptime refere-se à porcentagem de tempo que seu site está online e disponível para os usuários da internet sem quaisquer problemas. Naturalmente, o ideal é que seu site fique disponível o máximo possível e, para isso, o seu provedor deve garantir números muito próximos de 100% de tempo de atividade.

É claro que nem todos os provedores definem o tempo de atividade exatamente da mesma maneira. Portanto, você terá que rever cuidadosamente a política da empresa em questão para ver o que ela realmente está garantindo.

Você também pode querer descobrir como o host lida com os períodos de inatividade. Ter seu site frequentemente indisponível obviamente não é o ideal quando você está tentando construir uma audiência. Para saber no que você está se metendo, é uma boa ideia procurar por avaliações que indiquem o quão confiável o provedor tem sido com clientes antigos e atuais.

Avalie os produtos e serviços adicionais disponíveis

Uma vez que seu site esteja funcionando, pode chegar o momento em que você queira adicionar novos recursos. Nesse cenário, os diferenciais que o seu provedor oferece em termos de “extras” poderá ser considerado para a escolha.

Se você está começando um site pequeno é necessário traçar os seus objetivos à medida que ele for crescendo — de forma antecipada. Nesse cenário, precisará ter certeza de que o provedor entregará as funcionalidades necessárias para esse crescimento.

Ter a capacidade de escolher recursos “a la carte” significa que você pode projetar um plano que forneça tudo o que você precisa. Nessa lista de extras podemos incluir itens como um certificado SSL, endereços de e-mail personalizados, entre outros.

Identifique o tipo de painel de controle que você terá acesso

Lidar com gerenciamento de servidores de hospedagem às vezes pode ser a parte mais técnica da administração de um site. A boa notícia é que a maioria dos provedores fornece um painel de controle fácil de usar. Com essa ferramenta, você poderá fazer todo tipo de configuração em seu site, sem ser um expert.

O painel de controle mais popular e disponibilizado pela maioria dos provedores é o cPanel. Há outras opções bastante utilizadas, como o Plesk e o DirectAdmin. No entanto, alguns hosts oferecem uma solução personalizada.

Verifique as opções de backup do site do host

Se você está construindo um site com WordPress, tem algumas opções para criar backups para manter seu site seguro. Por exemplo, você pode usar plugins específicos para controle prático de seus backups.

No entanto, também é uma boa ideia analisar o que seu potencial provedor oferece nesta área. Dependendo do tipo de plano que adquirir, você poderá ter acesso a backups diários em seu site. Esse tipo de proteção será útil caso o seu site seja hackeado ou se um arquivo for corrompido. A verdade é que, quanto mais soluções de backup você tiver, mais camadas de proteção terá.

Ao avaliar os serviços de backup oferecidos por um provedor de hospedagem, procure informações sobre quanto tempo seus backups são armazenados e com que frequência eles são criados.

Além disso, certifique-se de entender como acessar seus backups, se necessário. Se o seu site for hackeado, é extremamente benéfico se o host fornecer um serviço de restauração fácil de usar.

Verifique se o suporte atende às suas demandas

Uma empresa que conta com uma boa equipe de TI interna pode não precisar desse nível de serviço. No entanto, contar com um provedor que oferece um bom nível de suporte poderá fazer toda a diferença. Isso porque, muitas pequenas empresas não têm recursos ou know-how para lidar com problemas inesperados, ataques e assim por diante.

Por isso, é vital avaliar as opções de suporte ao cliente que cada provedor de hospedagem oferece. Estes podem muitas vezes diferir entre planos individuais. Planos de nível inferior tendem a ser mais simples em termos de suporte, enquanto planos gerenciados e opções mais caras geralmente oferecem suporte premium.

Outro ponto que deve ser ressaltado é o tempo de atuação desse suporte, afinal, os problemas nunca chegam com hora marcada. Nesse cenário, busque por provedores que ofereçam atendimento e suporte em tempo integral, 24/7, afinal, caso o seu site ou aplicativo fique fora do ar, você não vai querer esperar até o horário comercial do próximo dia útil, não é mesmo?

Faça um teste gratuito

Um dos grandes dilemas de quem está querendo contratar um provedor é o de identificar as características de cada empresa, sem se comprometer com contratos longos e de fidelidade. Nesse cenário, a melhor maneira de definir se o provedor é ou não ideal para sua empresa, analisando todos os pormenores — do painel oferecido ao suporte — é por meio de um teste grátis.

É cada vez maior o número de provedores que entendem que a melhor maneira de atrair novos clientes é pela experiência. Os clientes devem ficar por gostarem do provedor e não serem presos por uma obrigação contratual. O teste grátis permite que o cliente possa tomar essa decisão de forma mais consistente.

Esperamos que, após a leitura deste post, você tenha entendido o que é um servidor web, como funciona e o que deve ser analisado para contar com um provedor de qualidade. A escolha do ambiente é primordial para que o seu site ou aplicação web tenha um bom desempenho e segurança.

O objetivo de quem cria e coloca um site no ar é atrair visitantes e garantir que eles sejam recorrentes em suas visitas. O trabalho para que esse objetivo seja atingido começa na escolha do servidor web.

Gostou do post? Quer saber como contar com o melhor provedor para o seu servidor web? Entre em contato conosco e faça um teste grátis.