fbpx
Dicas

Afinal, o que é um servidor DNS? Entenda aqui!

Você sabe o que é servidor DNS e o que ele tem a ver com a sua conexão? Sigla para “Domain Name System“, Sistema de Nome de Domínios, em português, a solução foi inventada para permitir o crescimento das redes baseadas em TCP/IP.

Na época, ainda no início da década de 1980, sua implantação trouxe mudanças significativas, pois possibilitou a replicação e a distribuição de informações entre computadores que estavam distantes um do outro. Antes disso, na “pré-história” da internet, o sistema utilizado era chamado de ARPANET.

Este artigo foi elaborado para apresentar os principais pontos em relação a um servidor DNS. Você verá o que é, para que serve, qual a sua importância e muito mais. Não perca essa leitura!

Afinal, o que é servidor DNS?

De forma clara e objetiva, um servidor DNS é um computador que contém um banco de dados com endereços de IP públicos e os seus respectivos domínios associados.

Vale ressaltar que existem diversos deles por aí: eles executam softwares específicos e se comunicam entre si com base em protocolos especiais.

Em termos práticos, eles fazem a ligação entre um domínio e um número de IP, que nada mais é do que a identificação do servidor para o qual o domínio está apontado.

Para facilitar ainda mais, um servidor DNS é o sistema que traduz o “site.com.br” para um endereço de IP, por exemplo, 151.101.129.121. Isso ocorre quando o domínio é digitado nos navegadores.

Como surgiu o servidor DNS?

Para falarmos de DNS temos que voltar para a origem da internet moderna. Como sabemos, a internet é estruturada por meio de endereços IP — Internet Protocol, ou protocolo de comunicação via internet.

Um endereço IP é estruturado por uma sequência de números e pontos. Por exemplo, o IP do Google é 172.217.6.78 — se você copiar essa sequência e colar em seu navegador, irá para a página principal do buscador.

Todos os pontos de contato que estão na internet tem um endereço IP único: os servidores de hospedagem, os sites, os dispositivos de acesso, os roteadores etc. A origem do protocolo TCP/IP se dá na pré-história da internet, com a ARPANET, que já fazia a troca de pacotes de dados utilizando esse protocolo.

Como havia poucos computadores conectados, a estrutura era bem simplificada, pois a rede contava com um único arquivo de texto, que trazia uma tabela que continha os respectivos IPs.

Conforme foram adicionando novos computadores a essa rede, os engenheiros perceberam que dava muito trabalho manter e fazer a atualização desse arquivo, além de não ser nada intuitivo. Foi nesse cenário, com a necessidade de automatizar a gestão e criação de novos endereços IP, que surgiu o DNS.

O DNS foi inventado no início dos anos 1980, para tornar mais fácil a escalabilidade da internet, possibilitando a expansão da rede de computadores via protocolo TCP/IP.

A mudança mais significativa, foi que as informações deixaram de se concentrar em apenas um computador e passaram a ser replicadas em outras máquinas, que eram utilizadas para o mesmo fim, mas que ficavam distantes umas das outras. Assim nasceu o sistema distribuído.

Qual é a função desse servidor?

Tendo visto o que é um servidor DNS, vamos, agora, ao seu papel. Acabamos de mencionar a tradução dos nomes amigáveis em endereços de IP, o que, em suma, é o seu propósito inicial.

Desse modo, não é necessário ter que decorar sequências enormes de números, apenas o domínio. E é justamente essa a serventia do DNS, fazendo com que você encontre os conteúdos da web pelo seu próprio nome.

Sem esse sistema, você teria que gravar os IPs e digitá-los no navegador. Imagine ter que digitar “179.184.115.223” para acessar o Google e “31.13.85.36” para o Facebook.

Para contextualizar, podemos dizer que o DNS desempenha uma função bastante similar a uma lista telefônica. Porém, em vez de associar pessoas/empresas aos seus telefones, ele relaciona os nomes aos seus endereços de IP.

Ao requisitar um domínio, o pedido é encaminhado ao servidor responsável pelo atendimento de tal, o qual o direcionará para outro servidor que atende a hospedagem do site.

Qual a sua importância para a rede?

Em relação à importância de um servidor DNS para a rede, o ponto a destacar é que, quando corretamente ajustado, ele favorece a navegação dos usuários. Entenda que é ele que “inicia os trabalhos” para uma boa experiência, reduzindo o tempo de espera que envolve a tradução dos domínios para os seus IPs correspondentes.

Ao não estar bem configurado, o tempo de resolução para receber os dados requisitados na rede será um tanto quanto mais demorado, fazendo com que os solicitantes tenham que esperar um pouco mais.

Podemos dizer que o DNS é uma engrenagem silenciosa que beneficia uma boa conexão. Com as páginas cada vez mais robustas, é importante que todos os mecanismos que propiciam a conexão estejam em pleno funcionamento.

Como esse tipo de servidor funciona?

No que diz respeito ao funcionamento dos servidores DNS, o ponto a destacar são os processos de busca e redirecionamento.

O primeiro deles tem a ver com a procura do IP correspondente ao domínio digitado no navegador. O segundo se refere ao redirecionamento do IP encontrado para o servidor no qual o site solicitado está hospedado.

Nesse contexto, é interessante que você saiba que existem 13 servidores DNS principais em todo o mundo, chamados de “raiz”. Sem eles, navegar na internet do modo como fazemos não seria possível.

Distribuição hierárquica

Além dos servidores raiz, que acabamos de citar, há os tipos “domínio de alto nível” e “com autoridade”. Essa distribuição é hierárquica, funcionando da seguinte forma:

  • o tipo “raiz” está no topo da hierarquia, com a função de indicar o servidor de domínio de alto nível condizente ao pedido do usuário;
  • o tipo “domínio de alto nível” (Top Domain Level/TDL) vem logo abaixo, sendo representado pelos servidores que abrigam os sites com final .gov, .edu, .org, .net, .com, .br, .uk, .au etc.;
  • o tipo “com autoridade” é o último deles. Como o nome faz supor, esse tipo de servidor DNS é estabelecido para fins próprios (universidades e grandes organizações que querem um sistema único para os seus registros).

É importante deixar claro que os servidores raiz conhecem todos os endereços de todos os outros servidores DNS do tipo “domínio de alto nível”. É por isso que eles os indicam de acordo com o pedido do usuário, facilitando a busca por parte dos navegadores.

Essa “árvore” de ramos hierárquicos e distribuídos foi criada para evitar que uma falha em algum dos servidores inviabilize as conexões de rede.

Apesar de uma certa complexidade, o funcionamento dos servidores DNS se baseia no que falamos: encontrar os IPs solicitados nos browsers para redirecioná-los aos servidores de hospedagem convergentes. É isso que você precisa saber.

Quais são os registros permitidos pelo DNS?

Quando falamos em DNS, o foco sempre é em mostrar os registros que apontam para os servidores de hospedagens. Porém, um domínio pode carregar vários valores, que trazem finalidades específicas.

Se você tem um domínio e deseja criar um subdomínio a partir dele, terá que acrescentar um registro do tipo CNAME na área de configuração de DNS. Esse processo geralmente é realizado dentro do painel de configuração da empresa de hospedagem.

Aliás, é sempre importante ressaltar que as configurações de DNS permitem que você utilize o seu domínio como base de vários serviços, em servidores diferentes. Você pode ter o seu site na hospedagem principal, o seu e-commerce em uma plataforma especializada, seu email em um servidor de e-mail profissional, uma página de games em uma plataforma específica, etc.

Veja abaixo os registros mais comuns que podem ser feitos na configuração do DNS.

Registros NS

Os registros do tipo NS, ou Name Server, são aqueles relacionados à empresa que tem o controle sobre as definições do domínio em questão. O administrador do site, ao editar o DNS de seu domínio, deve fazer a inclusão de um registro NS que apontará o domínio para a empresa que faz a hospedagem do site. O registro do NS costuma apresentar uma estrutura parecida como: ns1.empresa.com.

Registos do tipo A

Os registros do tipo A são aqueles que sempre apontam para um endereço de IP do tipo IPv4. Esses registros podem ser utilizados quando você quer apontar o seu subdomínio para um servidor específico. Para fazer o redirecionamento para o padrão de endereços IPv6, você deverá utilizar o registro AAAA.

Registro CNAME

Os registros CNAME apontam e indicam o subdomínio escolhido. É comum que os registros CNAME já venham configurados de forma prévia na sua conta de hospedagem com o valor “www”. Sim, apesar de acostumarmos com o “www” indicando o site principal de uma empresa, quando você digita “www.empresa.com.br”, você está digitando um subdomínio.

O registro CNAME pode ser utilizado para criar todo o tipo de subdomínio que você desejar. Você pode registrar o CNAME “blog”, para criar o endereço “blog.empresa.com.br”, ou registrar “loja”, para que o endereço de seu e-commerce seja “loja.empresa.com.br”. As opções são infinitas e você pode usar a criatividade para criar bons subdomínios para personalizar a sua página.

Registro MX

O registro do tipo MX é aquele que sempre deve apontar para o servidor que fornece o seu serviço de e-mail vinculado ao seu domínio. Dessa maneira, você pode ter o seu site hospedado em um servidor e o e-mail em outro.

Registro TXT

Um registro TXT é utilizado para que você insira informações adicionais a respeito do domínio em questão. Você pode, por exemplo, aumentar a segurança dos e-mails enviados a partir do domínio escolhido.

Registro SOA

O registro SOA — Start Of Authority — é o local onde serão indicadas as informações acerca da autoridade responsável pelo domínio e demais informações relevantes, como, por exemplo, a data da última atualização do domínio.

Devo optar por um DNS gratuito ou DNS pago?

Como vimos ao longo do post, o DNS serve para traduzir um nome de domínio intuitivo que você digitou em um navegador para o endereço IP e que levará ao site desejado. Quanto melhor for o servidor DNS, melhor a experiência do usuário ao acessar o seu site.

Isso porque, como vimos, é o seu ISP que atribui servidores DNS a cada vez que você se conecta à internet. Porém, nem sempre ele fará a melhor escolha de servidor DNS disponível e isso pode gerar lentidão, antes que os sites comecem a carregar.

Se o seu servidor cair é bem provável que você não consiga acessar nenhum site. Nesse cenário, você deverá avaliar bem o servidor escolhido, para que não tenha que mudar com o site no ar, perdendo tráfego e visitas.

As diferenças entre um DNS gratuito e um pago começa no óbvio, um não tem custos financeiros e o outro sim. As duas opções apresentam os recursos básicos, necessário para que você faça os registros de domínios e subdomínio.

Mas o DNS pago oferece recursos extras, como segurança avançada, funcionalidade de desempenho, suporte ao cliente e outras opções extras de personalização. Foque sempre em custo-benefício, e não apenas em preço, afinal, você fará um investimento.

Como agir quando o DNS não está respondendo?

Acabamos de descobrir, no tópico acima, como um DNS funciona, mas precisamos entender, também, o que acontece quando ele não responde e como resolver essa questão. Em algumas situações, ele simplesmente para de funcionar; em outras, pode ser problema da web, que acaba refletindo nos servidores, e há casos em que o roteador está configurado de forma errada. Neste tópico, vamos aprender a diagnosticar e resolver esse problema em diferentes sistemas operacionais. Acompanhe.

Corrigindo os erros no Windows

Vamos entender quais são as principais causas que fazem um servidor não responder nos Windows 10, 8 e 7. Algumas das mais recorrentes são:

  • problema interno no roteador ou adaptador de rede;
  • danos no serviço DNS presente no dispositivo;
  • bloqueio do antivírus ou firewall para o acesso à internet;
  • servidor pode estar no host do site.

Bem sabemos as principais causas, mas como resolver esse problema no Windows? A primeira coisa que deve ser feita é a reinicialização do dispositivo do modem. Desligue o computador e o dispositivo do modem e espere uns minutos. Em seguida, religue-os e verifique se o problema foi resolvido. Essa é a resolução mais básica.

Se não funcionar, você pode tentar solucionar o erro utilizando o prompt de comandos. Veja o passo a passo.

  • inicie o prompt de comando apertando as teclas Windows + R e depois digitando CMD;
  • em seguida, execute os comandos abaixo, um por um:
  • Ipconfig / release;
  • Ipconfig / all;
  • Ipconfig / flushdns;
  • Ipconfig / renew;
  • Netsh int ip set dns;
  • Redefinir winsock netsh.

Essa sequência liberará o DNS e corrigirá os erros, mas, para que seja concluído, você deve reiniciar o seu dispositivo e verificar a sua conexão com a internet.

Alterando os endereços DNS no Windows

  • Para começar, clique com o botão direito do mouse no ícone da rede e escolha a opção “Abrir Rede de Compartilhamento”;
  • em seguida, clique em “Alterar configurações do adaptador”, clique em sua conexão de rede com o botão direito do mouse e depois em prioridades;
  • então, escolha a opção “Internet Protocol Version 4 (TCP / IPv4);
  • agora, você deverá adicionar os servidores DNS abaixo:
  • na área “Servidor de DNS preferido”, coloque: 8.8.8.8;
  • na área “Servidor de DNS alternativo”, coloque: 8.8.4.4
  • em seguida, feche as caixas de diálogo abertas e verifique a sua conexão de internet.

Definindo o endereço físico como endereço de rede

Siga os passos abaixo para conseguir definir o seu endereço físico como endereço de rede utilizando o Windows:

  • abra o prompt de comando;
  • digite o comando ipconfig / all e pressione a tecla Enter;
  • você receberá os detalhes da conexão do sistema do computador e deverá anotar o endereço físico;
  • depois, pressione as teclas Windows + R;
  • na caixa de diálogo, digite o comando ncp.cpl e pressione Enter;
  • clique com o botão direito do mouse na opção da rede que está funcionando e, em seguida, clique em “Prioridades”;
  • depois, clique no botão “Configurar” e na guia “Avançado”;
  • agora, clique na opção “Endereço de rede”;
  • no campo “Valor”, insira o endereço físico que você anotou, clique em “OK” e, depois, em “sair”.

Agora verifique a sua conexão e se as páginas estão funcionando normalmente. Caso contrário, siga os passos abaixo, para configurar o seu firewall.

Descobrindo o que está impedindo a minha conexão

Pouca gente sabe, mas os firewalls e antivírus podem estar configurados de uma maneira que impeça a sua conexão. Por isso, é importante que, caso as soluções anteriores não funcionem, você verifique as configurações.

A melhor forma de saber se o problema é o seu antivírus é desativá-lo e conferir se a internet está funcionando; se isso não resolver, você deverá procurar as especificações das configurações da marca de seu software.

Corrigindo os erros no macOS

Agora que já temos quase que um tutorial para que você verifique os problemas de DNS no Windows, que é o sistema operacional mais popular no Brasil, vamos explicar como resolver essa questão de uma maneira prática em outros sistemas, começando pelo macOS, da Apple. Confira:

  • primeiro, clique no ícone da maçã, que representa o Menu Apple;
  • em seguida, clique em “Preferências do Sistema” e, depois, em “Rede”;
  • verifique qual é a sua conexão ativa e clique nela;
  • logo depois, você deverá clicar no botão “Avançado”, e acessar a aba “DNS”;
  • apague os endereços IP que estiverem na tabela esquerda e, depois, clique no botão “+” para adicionar novos;
  • agora, você deverá inserir os novos endereços de DNS primário e secundário (explicaremos isso no último tópico) e conferir as alterações.

Corrigindo os erros no iOS

Ainda corrigindo os erros nos dispositivos da Apple, vamos ao passo a passo para resolver os problemas de falta de resposta do DNS no sistema operacional dos iPhones, o iOS. Confira:

  • o primeiro passo é abrir o app Ajustes;
  • em seguida, toque em “Wi-Fi”;
  • ao mudar a tela, você deverá tocar no ícone “i” que estiver ao lado da rede que deseja alterar;
  • toque em “Configurar DNS”;
  • depois, vá na opção “Manual”;
  • clique em “Adicionar Servidor” e insira os endereços DNS primário e secundário;
  • para fazer a remoção dos endereços DNS já cadastrados, basta tocar no ícone vermelho ao lado de cada um deles;
  • para finalizar, toque em “Salvar”.

Corrigindo o DNS no Android

Agora, vamos ver como modificar o DNS no sistema operacional para smartphones mais popular no mundo, o Android. O passo a passo é simples, e mesmo pessoas leigas conseguirão executá-lo. Acompanhe:

  • vá até o ícone de configurações e, depois, em conexões;
  • toque em “Wi-Fi”;
  • agora, clique na rede wi-fi que deseja configurar;
  • toque em “Avançado”;
  • em seguida, toque em “Definições IP” e, depois, em “Estático”;
  • agora, é hora de definir DNS 1 e DNS 2, adicionando os endereços de DNS primário e secundário;
  • então, é só salvar as configurações.

Se, depois das configurações, nada for resolvido, é bem provável que o problema esteja em sua rede. Nesse cenário, o ideal é você entrar em contato com o seu provedor, para encontrar uma solução adequada.

Quais são os servidores DNS mais populares?

Antes de finalizarmos este artigo sobre o que é servidor DNS, mostraremos os mais populares (que também estão entre os melhores). Essencialmente, são:

Google Public DNS

O Google Public DNS é um serviço bem simples, oferecendo apenas a tradução dos domínios para os seus IPs. Para utilizá-lo, o computador ou roteador deve conter os seguintes endereços:

  • 8.8.8.8 (servidor primário);
  • 8.8.4.4 (servidor secundário).

OpenDNS

Outro muito conhecido é o OpenDNS, que oferece recursos adicionais, como sistemas de proteção parental e proteção contra sites falsos. Seus endereços são:

  • 208.67.222.222 (servidor primário);
  • 208.67.220.220 (servidor secundário).

Além desses, os servidores Level 3, Comodo Secure DNS, Norton ConnectSafe e DNS.Watch também estão entre os melhores.

Como vimos, o servidor DNS é uma dos agentes principais que permite a estruturação da internet como conhecemos atualmente. Entender a sua estrutura e configurações, permite que tornemos os nossos sites e aplicações web cada vez mais otimizados.

Para concluir, nada melhor do que o ajudarmos a escolher o servidor DNS ideal para a sua conexão. Aqui, a dica é rápida: use o DNS Benchmark, um programinha para Windows cuja finalidade é apresentar a melhor opção para a sua região.

Esperamos que você tenha compreendido o que é servidor DNS. Gostou do post? Então, ajude a gente a divulgá-lo, compartilhando com seus amigos e familiares em suas redes sociais.