fbpx

O Nodejs — ou, também, Node.js — é um “fenômeno” que já tem alguns anos, mas que ainda é uma novidade para muita gente. Ele é uma solução que permite criar uma série de diferentes aplicações Web, utilizando apenas o código em JavaScript.

Adotada por boa parte das maiores organizações da indústria da internet, seja como ferramenta principal ou auxiliar, essa tecnologia funciona muito bem, sendo extremamente eficiente e, ainda, pode realmente contribuir para o desenvolvimento de novos programas, com a base de uma boa hospedagem JavaScript.

Neste artigo, apresentaremos tudo o que você precisa saber para melhor se ambientar ao Node.js — você verá o que é, para que serve, quais são as suas vantagens e desvantagens. Portanto, continue com a leitura e confira!

O que não é o Node.js?

Para facilitar o seu entendimento acerca do que é o Node.js, começaremos na contramão, mostrando o que ele não é. Isso porque são nesses pontos que muitos ainda se confundem.

Não é uma linguagem de programação

Para desenvolver um sistema com o Node.js, o programador utiliza uma linguagem que há décadas já se faz presente na criação dos mais variados tipos de aplicação Web, o JavaScript.

A questão a salientar é que, apesar de ser uma linguagem de scripting interpretada, o JavaScript, quando em uso com o Node.js, guarda algumas semelhanças com as linguagens compiladas.

Isso acontece em virtude da máquina virtual V8, que realiza pré-compilações e aperfeiçoamentos antes mesmo do código entrar em operação.

Não é um framework JavaScript

É importante entender que o Node.js é uma plataforma de aplicação, e não um framework JavaScript. Os programas são escritos em JavaScript, porém, compilados e interpretados pela máquina virtual V8 que, por sua vez, é exatamente a mesma tecnologia que o Google utiliza no Chrome para executar o JavaScript.

A união do Node.js com essa linguagem de programação resulta em um processo híbrido muito mais eficaz no que se refere à execução e o consumo de recursos.

O que é o Nodejs?

Uma vez que você já sabe o que não é, vamos agora ao que de fato é o Node.js. Em resumo, trata-se de uma tecnologia assíncrona que trabalha em uma só thread de operação. E o que isso quer dizer? Que ela consegue atender a um imenso volume de requisições ao mesmo tempo, não bloqueando os processos a cada requisição como ocorre em outras tecnologias.

Sob uma visão mais prática, imagine que, ao utilizar o Node.js, o programador opere apenas um fluxo de execução — conhecido como Event Loop.

Ao chegar uma requisição, ela entra nessa corrente para ser verificada pela máquina virtual V8, que indica o que deve ser feito, delega a ação, como fazer uma consulta no banco de dados, por exemplo, e retorna para atender as novas requisições — tudo isso sem ter que pausar/parar o processamento do que está acontecendo.

Esse modelo de funcionamento é bem diferente do tradicional, já que a maior parte das linguagens de programação atua com base no conceito multi-threading. Nesse caso, a cada requisição uma nova thread é aberta, o que significa que se ela fizer uma consulta pesada, a ação fica travada até o seu término, não possibilitando a abertura de outros processos.

Para que serve?

São diversas as serventias do Node.js, sendo que os seus usos mais ideias seriam para:

  • criar aplicações de tempo real;
  • fazer backend de IoT, jogos e apps de mensagens;
  • desenvolver APIs.

Para muitos, o desenvolvimento de APIs é a principal função dessa tecnologia. A razão por trás disso é devido a sua característica de trabalhar em somente uma única thread, o que a torna excelente para essa atividade, já que exige pouquíssimos recursos de hardware.

Quais são as suas principais vantagens?

No que diz respeito aos benefícios, o primeiro deles é que o Node.js utiliza JavaScript, que já tem alguns anos de existência e milhões de programadores em todo o planeta.

Encontrar profissionais para essa tecnologia é uma tarefa um tanto quanto fácil, o que não pode ser dito quando observadas as plataformas concorrentes.

Outra vantagem é que o Node.js acaba com a reclamação de boa parte dos desenvolvedores Web, como ter que trabalhar com linguagens diferentes no back e front-end: ele oportuniza o JavaScript full-stack, permitindo que você o utilize para tudo!

Também vale destacar a leveza e a questão “multiplataforma” do Node.js, que possibilita execuções em servidores abertos e com o sistema operacional que você quiser, reduzindo consideravelmente os custos associados aos softwares e hardwares.

Quais são as desvantagens?

Como em qualquer outra tecnologia, desvantagens estão sempre por perto. Por mais contraditório que seja, uma delas é o uso do JavaScript.

Enquanto um benefício é a facilidade de encontrar programadores, um incômodo para os profissionais que preferem linguagens mais estritas, como C# e Java.

Embora muito já tenha sido criado para o Node.js, de certa forma, ele é recente (2009), uma desvantagem quando comparada a linguagens mais antigas, como Python (1991), JVM (1995) e .NET (2000).

Entenda que nesse contexto, um dos principais fatores de confiança da tecnologia em questão é o quão calejada ela foi e madura ela está. Esses pontos reforçam a sua credibilidade para os projetos maiores e mais pesados.

Dependendo da complexidade dos trabalhos e requisições, seu aspecto assíncrono pode ser um complicador. Isso porque o uso exagerado dos chamados callbacks resultam nos problemáticos “callbacks hell”, que se resumem a uma enorme dificuldade de depuração — esse contratempo pode ser parcialmente solucionado com a utilização de Promises (ES6) e Async/Await (ES7).

Como depurar programas Node.js?

Assim como acontece com o JS tradicional, para desenvolver com o Node é possível utilizar qualquer editor de texto. Porém, para otimizar a sua atuação, é bom evitar ferramentas muitos simples, como o bloco de notas e editores de linha de comando — apesar de serem praticas, essas aplicações não contribuem na hora de depurar as aplicações bugadas.

Sendo assim, a primeira coisa que você deve fazer para depurar aplicações em Node.js é trocar o seu editor de código. Uma excelente opção é o Visual Studio Community. Nessa ferramenta, é possível colocar breakpoints em arquivos .js, fazer testes e expressões no console, inspecionar variáveis e muito mais. O melhor de tudo? A ferramenta é gratuita!

Se você não deseja abrir mão da utilização de editores de textos nativos de seu sistema operacional ou dos que você já está adaptado a utilizar, há a possibilidade de depurar as suas aplicações Node.js diretamente no Google Chrome. Para isso, basta apertar a tecla f12. Outra opção é utilizar o Node Inspector, um projeto de código aberto que está disponível no GitHub.

Quais são os principais concorrentes do Node.js?

A maioria dos desenvolvedores compara o Node.js com tecnologias como o Python, PHP e Ruby. Mas a verdade é que essas linguagens não são concorrentes diretas do Node.js, principalmente se analisarmos o propósito de cada uma especificamente. Se essas tecnologias não são concorrentes do Node, quais são? Veja a seguir as principais concorrentes.

Go

A Go é uma linguagem de programação criada pelo Google e oferece um modelo alternativo que permite lidar com as threads. Como estamos falando de um modelo muito mais leve do que os tradicionais Java e C#, ele rivaliza com o Node.js, não só por ser tão leve e poderoso quanto, mas bem mais semelhante ao C.

Scala

Sendo apontado como o provável sucessor do tradicional Java, por apresentar as mesmas vantagens dessa linguagem, o Scala entrega mais velocidade, gastando menos recursos. Essa linguagem é outra que pode “roubar” usuários do Node.js em um futuro próximo.

Elixir

O elixir ficou popular após a revelação de que o aplicativo de mensagens mais popular do mundo, o WhatsApp o tem como base — rodando sobre uma máquina virtual Erlang, que traz características semelhantes ao Node.js, além do paradigma funcional.

Quais são as grandes empresas que adotaram o Node.js e o que ganharam?

Já explicamos o que é Node.js, suas vantagens, desvantagens e concorrentes. Mas, para que você possa entender a sua força, separamos este tópico para mostrar as grandes empresas que adotaram o Node.js. Confira!

LinkedIn

A maior rede social com foco em relacionamentos profissionais do mundo, o LinkedIn, conforme foi crescendo de forma exponencial, sentiu a necessidade de buscar soluções para aumentar a velocidade de sua aplicação.

Em 2011, a empresa lançou uma nova versão de seu aplicativo mobile que faz o uso de Node.js e HTML5. A escolha pelo Node se deu pelo ganho de velocidade no desenvolvimento, permitindo que a empresa conseguisse projetar e entregar a versão otimizada com mais rapidez.

Netflix

A plataforma que popularizou o serviço de streaming de vídeos por demanda tinha ela toda desenvolvida em Java. Isso exigia da equipe de desenvolvimento a manutenção de dois sistemas distintos — front-end e back-end. Além disso, as builds eram demoradas e exigiam máquinas muito potentes para o desenvolvimento. Isso fazia com que a aplicação demorasse mais de 40 minutos para ser reiniciada.

Como estamos falando de uma plataforma que é conduzida por dados, ou seja, com vários testes A/B realizados pelos algoritmos, com o aumento no número de usuários, estava se tornando impossível manter a tonelada de dados que eram processados a cada interação da forma como estava.

Ao trocar Java por Node.js e JavaScript, a Netflix conseguiu transformar aquele software pesado em uma aplicação simples, reduzindo consideravelmente o tempo de inicialização e tornando a manutenção muito mais fácil. A plataforma ficou mais leve e ágil, pára a alegria dos usuários.

Uber

Uma das primeiras empresas a utilizar o Node.js em sua aplicação, desde a versão 0.8.0 — atualmente estamos na versão 13.11.0 — a Uber nunca mudou de ferramenta, mesmo com o aumento do número de usuário, graças à estabilidade e bom desempenho. Boa parte do core da empresa, as bases geoespaciais e os sistemas distribuídos são escritos em Node.js.

Walmart

A maior rede varista do mundo, o Walmart mudou o patamar da utilização do Node.js. Isso porque, a partir de 2013, a empresa começou a utilizar em seu site mobile o Node.js, com foco em um dos momentos de maior pico de vendas, a Black Friday.

A utilização do Node se mostrou muito vantajosa e ajudou a empresa alavancar as vendas. Na data a empresa atingiu o pico de tráfego de 200 milhões de usuários e, utilizando o Node.js, não consumiu nem 1% da capacidade de processamento de seu servidor.

PayPal

Uma das mais tradicionais empresas de pagamentos digitais do mundo, a PayPal investiu pesado na re-arquitetura de sua aplicação para os moldes Node.js. Mas diferentemente de outras empresas, que optaram por uma mudança radical, o PayPal foi mudando aos poucos. Primeiro reformulou apenas a tela de resumo da conta — a parte mais visitada do site

Para garantir o bom desempenho, a empresa desenvolveu de forma simultânea uma plataforma em Node.js e outra em Java, para fazer o teste de desempenho em cada uma. O resultado do teste foi a vitória do Node.js, pois a equipe desenvolveu duas vezes mais rápido do que a versão Java, utilizando menos linhas de códigos e menos arquivos. Em relação ao desempenho, a versão em Node.js conseguiu atender o dobro de usuário da versão em Java.

IBM

A mais tradicional empresa de tecnologia dessa lista, a IBM também se rendeu ao Node.js. A empresa começou em 2015 a trabalhar um utilitário de testes para módulos e framework para Node.js. O objetivo desse utilitário era testar e emitir relatórios completos sobre todo tipo de aplicação. Chamado de The Canary in the Gold Mine (CITGM), esse utilitário conseguiu encontrar e relatar uma gama de regressões em todo o ecossistema, inclusive no próprio nucelo do Node.js.

Dow Jones

Uma das principais editoras dos EUA, a Dow Jones, responsável pelo jornal focado em finanças, The Wall Street Journal, utilizava a linguagem JavaScript em seus projetos.

Em 2011, os desenvolvedores passaram a utilizar o Node.js com foco na criação de uma aplicação experimental para a leitura no Facebook. O resultado foi que a aplicação teve um desempenho acima do esperado e a tecnologia se tornou a principal da empresa, sendo utilizada na maioria dos novos projetos.

Para concluir, não poderíamos deixar de dizer que, apesar dos pesares, não há o que discutir quanto à qualidade e à eficiência do Node.js. LinkedIn, Paypal, Netflix e Groupon servem como exemplos de organizações que o utilizam para o desenvolvimento de suas aplicações web. Seja de maneira principal ou auxiliar, é certo que utilizá-lo pode contribuir de diversas formas no que corresponde à execução dos seus projetos.

Esperamos que você tenha entendido o que é o Node.js. Se gostou do que viu, aproveite para conhecer os nossos planos de hospedagem JavaScript e entre em contato!

Powered by Rock Convert

Escreva um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.